presskit DJ Jota Wagner



sábado, 16 de outubro de 2010

Chega! Novo website

pessoal. o www.jotawagner.com esta todo remodelado e lá tem um blog atualizadissimo com muita coisa legal.

Chega de mil atualizacoes, myspace, etc... agenda de apresentações, informações realmente novas e oficiais estão lá e no www.lunaticjazz.com


Obrigado e por favor, atualizem seus rss feeders ok!

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Fim de semana cheio de Colors no centrão





Neste final de semana agitadérrimo em São Paulo devido à Bienal e diversos outros eventos sateláiticos, é obvio que os maiores expoentes da arte contemporânea electrocaipira não poderiam ficar de fora.

O duo Colors Sound System toca na sexta e no domingo, em duas festas bastante especiais, libertárias e contestadoras. Fora do circuito geral!

Domingo, a partir das 5 da tarde, rola pela primeira vez um encontro do Colors Sound System na Trackertower (surreal escola de DJs com pista e bar no segundo andar de um prédio com vista e sacada pra Av. São João) - a idéia é montar toda a parafernália e mixar de tudo o que combina com domingo. A festa promete arrastar os amigos de sempre, alem dos chegados para a Bienal e os acontecimentos do Setembro Verde para celebrar o final de semana. Tudo totalmente não oficial, é claro.

Para entrar na festa, somente com nome na lista, que qualquer um por sua vez pode colocar. basta enviar lista@acolors.net ... se ainda não sabe direito quem vai com você, nos avise que a gente bota nome + acompanhantes na lista.



Mas muito antes de domingo nós temos outro convite muito especial pra você. Este incrível vídeo acima promove a 1a. Crossing the Line Party, tambem na Tracker Tower, celebrando o aniversário do DJ Biza.

A festa conta com Colors Sound System, Hero Zero, Hang The DJ e Biza. Line com alguns dos mais doidos de São Paulo. Imperdível!!

Para entrar na festa, rola o mesmo esquema de lista. Por isso, siga as instruções do vídeo!!

Nos vemos na pista!!






quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Noite de gala para os amantes da house no D-Edge

No começo da semana coloquei no meu Twitter que esta sexta seria uma das noites do ano pra house em São Paulo.

Afinal, no line up estão nada mais nada menos do que sir Kevin Yost botando para quebrar seu deep jazzy groove no sound system fodasso do D-Edge. Kevin divide as honras da pista com outro gringo de respeito. o self projeto The Revenge responsável por pelo menos alguns dos remixes mais fodinhas do ano, num wonky disco house muito do bacana. Sou fã!

No entanto, no post (perdão, são miseros 140 caracteres) esqueci de mencionar que a qualidade do line up não termina por ai. A noite ainda tem apresentações imperdiveis de Rafael Moraes eDavis.

Ambos tem desempenhado com maestria um papel muito importante em São Paulo. O de manter vivo e inteligente o groove presente nas pistas de dança brasileiras. Considerando a relevância de São Paulo no cenário mundial hoje eu digo: Sim, ouvir Rafa e Davis amanhã é mais importante do que Kevin e The Revenge, para não dizer mais atual e fresco.

Enquanto Kevin vive atualmente de seus excelentes serviços prestados ao deep house e The Revenge o apíce de sua criatividade enquanto compositor, a dupla brasuca se apresenta como cimentadores da solida força house paulistana. Rafa e seu trio Norumbah tem coleções de festas pequenas e grandes sob os ombros, alem de uma seleta discografia apreciada por mestres do cacife do Strictly Rhythm crew.



Rafa traz fortes influencias da cena americana classica em seu trabalho. Ja Davis flerta com a Europa, em especial o norte, em sua discografia deliciosamente construída, alem de manter pulsante a noite em que é residente, a Freak&Chic.

Para louvar o passado, curta o Kevin. Para curtir o presente, The Revenge, para saber do futuro, Rafael Moraes e Davis. Para saber de tudo, dance os quatro.

E viva São Paulo



quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Lunatic Jazz Sessions com Jota Wagner & Buenissimos

Lunatic Jazz Sessions with Jota Wagner and friends

Powered by Stompy.com & Kahua Music Promotions

Every thursday 9pm (gmt-3) with repeats every friday 3pm

- london fri 1Am / fri 7pm – new york thu 9pm / fri 6pm – san francisco thu 4pm / fri 11am -

www.discothequeradio.com

This show can be downloaded here

Tracklist show – august 4th

1. Truly (Moonstarr Remix) – Gecko Turner - Lovemonk

2. You´re So Special – Distant People feat. Tarsita D´Mour – Adaptation

3. Sandy Bitches – Steve Ferrand & Tres Manos - Your Only Friend

4. Let It Go – Moshun – Brain Kat

5. The Golden Dawn (Ivan Enot Remix) – Jake Childs feat Nataly Pena

6. That Feeling – Ritch – Trendy Mullet

7. Back In The Day – Drew Tempest – Ecordings

8. Mind Or Body – D´Experiment

Stompy Track Of The Week

It´s Very Deep Baby – Evren Ulusov - Kolour

Special Mix: Paradise 12 Years – Oscar Bueno & Jean Tavares (Buenissimos

An homage to infamous Paradise After Hours – São Paulo seminal party celebrating 12 years at D-Edge Club


past shows:

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Colors Sound System abrindo o Paradise After Hours neste sabado

Mais uma vez o Colors Sound System invade o D-Edge para uma tarefa muito especial: abrir o lendário after-hours Paradise, no D-Edge.
A dupla promete empenho máximo para conquistar os respectivos 3 pontos. Dividem a cabine o casal Russel & Kirkovicks e Paulo Ziliotto .
Quem tem prestigiado as apresentacoes de Jota e Wander no Paradise sabe que o casamento da dupla com o after hours tem rendido festas muito bacanas, animadas e alegres. Desta vez a coisa promete ficar ainda mais quente, com o Colors Sound System abrindo o after, logo às 5 da manhã.
Imperdível!
Quem estiver afim de prestigar mande um email pra lista de desconto do paradise e garanta sua entrada com um preço bacana.

Neste sábado pra domingo, dia 31 de julho, às 5 no D-Edge

Ouça no soundlcoud do Paradise o ultimo set do Colors Sound System apresentado lá:

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Colors Sound System na Radio Pirata


Na semana passada o Colors Sound System se juntou a Murray Richardson e Mauro Farina para uma animada sessão da Radio Pirata. Numa fria quarta feira o estudio da Vila Mariana se encheu de cerveja, animação e groove e você pode conferir o vídeo do que rolou aqui.

A Radio Pirata é uma empreitada do Mauro, diretor artístico do Paradise (D-Edge) em conjunto com alguns pareceiros e o programa rola em audio, video e chat todas as quartas-feiras a partir das 8 da noite.

"Um dos melhores programas da Radio Pirata até hoje com muita musica de qualidade e nossos convidados e parceiros Murray Richardson da Rebel Waltz, Jota Wagner e Wander A que formam o Colors Sound System e gerenciam a gravadora Lunatic Jazz .

Programa nota mil !!! Obrigado de verdade por todas essas informações importantes e esse bate papo sério sobre em que pé a cena House em São Paulo anda atualmente !!!"

Blog da Radio Pirata com video e fotos do programa.





sábado, 17 de julho de 2010

Colors Sound System no ótimo Invisible Airwaves

A faixa We Are One (Piano & Bass Version) foi incluida na mais recente edição do programa Invisible Airwaves. A Colorsss divide o show com nomes como Laurent Garnier, Luke Solomon, Crazy P e Beat Pharmacy

O show é um delicioso mix do característico indie deep house de Q-Burns.






sexta-feira, 16 de julho de 2010

8D Promo divulga videos do remix de Chainsaw

A 8D Promotions colocou no ar ontem o info-video do remix de Jota Wagner para a faixa "Chainsaw" , do tao recentemente comentado Q- Burns Abstract Message. O single foi lançado em março e, como você deve saber, Q-Burns foi o DJ convidado da Colors 9 anos, que rolou no D-Edge dia 2 de julho. Alias, caso voce ainda nao tenha visto as fotos, tem uma galeria de fotos via Rraurl.com no post sobre a festa. confira aqui




quarta-feira, 14 de julho de 2010

O que a Escócia, a Serra da Cantareira e a Av. São João tem em comum?



O relógio batia 1 da madrugada mais ou menos quando abandonamos o duvidoso show do mestre Booker T no virada cultura para subir o largo rumo ao predio da Trakkers pegar um pouco da animação do set de disco house oldschool de Camilo Rocha.

E foi com muita animação que flagramos o guru tocando no meio do seu set meu remix para a música I´m A Man, dos escoceses de Aberdeen Funky Transport & Giles Walker. Veja o video e ouça o release completo no link do soundcloud abaixo!!! Honra & Respeito à dupla de escoceses e ao nosso Leary brazuca ;)



domingo, 11 de julho de 2010





E rolou sexta feira passada a tão esperada edição da festa de comemoração dos 9 anos da Colors. O D-Edge se encheu de sorrisos e muito groove ao som do Colors Sound System (Jota Wagner & Wander A tocando em 4 decks) alem dos convidados Q-Burns Abstract Message e Luiz Pareto.

Quando Jota e Wander terminaram entregaram a pista para Q-Burns Abstract Message a pista já estava lotada. Alem dos 9 anos da festa de house mais falada do país, a dupla comemorava ainda o lançamento do disco We Are One, pela Lunatic Jazz.



We Are One foi lançado na mesma semana e recebeu suporte massivo de alguns cinco-estrelas da house mundial como Inland Knights, Giom e Funky Transport . Obviamente, a faixa foi uma das várias composições da dupla que animaram o D-Edge.

Lá pelas três da manhã o público já se deliciava com o set do convidado internacional mais do que especial Q-Burns Abstract Message. O DJ e Produtor tem dois álbuns lançados pela gravadora Astralwerks, responsável por mostrar ao mundo artistas como Chemical Brothers e Fat Boy Slim. Q-Burns já trabalhou em faixas com Lisa Shaw, Rabbit In The Moon e Faust. Alem disso, o artista é responsável por dois dos selos mais bacanas e inteligentes da house music americana, o Eight Dimensions e EIGHT-TRACKS. Sob o catálogo de ambas, artistas como Gavin Hardkiss, Brett Johnson, o próprio Q-Burns e , recentemente, o colorido brasuca Jota Wagner.

Jota foi contatato por Q-Burns pela primeira vez em 2008, quando o DJ ouviu a faixa Acid Resolution e pediu para remixá-la. Desde então, Jota tem recebido vários convites para trabalhos para a Eight Dimensions e a Eight Tracks. Remixou o mais recente single de Q-Burns, chamado Chainsaw. Revisitou tambem a faixa Monday Comes And Goes, de Gavin Hardkiss (do seu celebrado álbum +++ ).

O próximo trabalho de Jota a ser lançado pela EIGHT TRACKS será, finalmente, seu próprio EP, com o provisório nome de "The Red Trip" virá com duas faixas de Jota originais, alem de remixes de Atnarko e Q-Burns.

O set do convidado da Colors logo estará disponível aqui no blog. Foi rápido e furioso, surpreendendo a muitos que esperavam uma música indo em outro sentido. Para um D-Edge lotado, foi ouro.

Luiz Pareto, residente da Freak & Chic desde de a primeira noite do projeto, fechou com maestria esta que foi uma festa para ficar entrar no catálogo de edições inesquecíveis da Colors. Se você perdeu, confira nossa galeria de fotos no Rraurl. Elas transmitem bem o que foi a noite. E logo logo teremos os audios para você!!

Rumo aos 10 anos.




quinta-feira, 8 de abril de 2010

Lunatic Jazz Sessions #33 with Jota Wagner & Manuel Sahagun

Lunatic Jazz Sessions with Jota Wagner and friends

Every thursday 9pm (gmt-3) with repeats every friday 3pm

www.discothequeradio.com

Past shows can be downloaded at www.2de1.podomatic.com

Tracklist show – april 8th

1. Monday Comes And Goes (Jota Wagner Vocal mix) – Eight Dimension

2. Man With A Jam Plam (Discofari Remix) – All Good Funk Alliance feat Rubber Johnson - Super Hi-Fi

3. Herbal Cake (The Revenge Rubdown ) – Space Ranger - Lovemonk

4. Flashback 77 (Mathew Bandy Remix) – Greg Campbell – Full Flavour

5. The Argument – Art Of Tones – Room With A View

6. Funky Bassline – Consistent – Boe

7. Melting Machine – Jota Wagner - Conya

8. Final Frontier (James Teejs Revision Control Remix) Kenny Glasgow – Robot

9. Demarkus Lewis – Traibal Sun – Grin Music

Guest Mix of The Week: Manuel Sahagun (Candy Music)

01. Country Gents – Masterchef

02. Giom – In Love

03. The Candy Dealers & Alexander East – Watching You (Original Mix)

04. Manuel Sahagun – R2D2

05. Little Man Big – Slam Dunk It

06. Jaramillo & Bastien – So Saxy (Original Mix)

07. Homero Espinosa – Don’t Go Too Low (Dave Miller Remix)

08. Claude Monnet & Torre Bros – Got To Move On (Original Mix)

09. Bang Bang – Love Insurance (Hector Moralez Remix)

10. Jay West & Ingrid Hakanson – Funny Things (Ronan Remix)

11. Roland Nights – Phazz (Vernon & DaCosta Remix)

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Chainsaw - Q-Burns Abstrac Message (com remixes de Jota Wagner e Ajello)

Artist: Q-Burns Abstract Message

Release Title: Chainsaw

Remixes by: Ajello, Jota Wagner

Label: EIGHT-TRACKS

Catalog Number: 8TR009



Q-Burns Abstract Message - Chainsaw (EIGHT-TRACKS - 8TR009)



Tracklist:

1. Chainsaw (Analog Version)

2. Chainsaw (Ajello Remix)

3. Chainsaw (Loose Version)

4. Chainsaw (Jota Wagner Remix)

5. Chainsaw (Balearic Version)




Chainsaw (EIGHT-TRACKS - 8TR009) by Q-Burns Abstract Message



A dark, foreboding stillness, thick fog through the treetops, a mysterious cabin in the woods, and an ominous force within. This imagery obliquely provided inspiration to Q-Burns Abstract Message for his debut EP on EIGHT-TRACKS, "Chainsaw." The title refers to a climactic scene in an infamous American low-budget horror movie. Incidentally, it might also reference how Q-BAM almost took a chainsaw to his studio equipment while creating this track. The Analog Version was meant to be recorded almost entirely with vintage hardware but as the session commenced the Juno-106 started sputtering, the tape on the Chorus Echo snapped, the circuits on the ASR-10 gave off an odor like burnt candle wax, and so on.



Circumventing such ghosts in the machinery, this version of "Chainsaw" ends up a rambunctious and quirky house builder complete with filtered beats, a pounding bassline, squelchy guitar hits, and a buzzing chainsaw synth melody. Like many Q-Burns Abstract Message tracks "Chainsaw" sits firmly between several house music micro-genres while affirming the frenzied accident of its creation.



Q-Burns Abstract Message follows this with two radically self-remixed versions. The first, a Loose Version, attempts to take the American fright flick impetus and move it to a more Italian, Argento-inspired location. The tempo is reduced to a lurching slink and some analog remnants are applied, including juicy spring reverb bass stabs. Haunted pianos and spooky synth strings abound. Next, Q-BAM's Balearic Version attempts a resolution; the ending credits theme, perhaps. Here a breezy and vibrant Spanish-guitar led rendition closes out the EP on an uplifting note.



Suddenly, a pair of remixers were selected who were thought to be in tune with "Chainsaw"'s off-kilter motif. The Italian duo Ajello burst forth with a synth-powered disco revelation that takes the sinister overtone and boldly throws it towards the dancefloor. São Paulo's rising house music talent Jota Wagner also tackles the theme with a funky confidence. His steadily evolving remix piles on layers of melody and rhythm, at one point giving way to a demonic cackle. Mysterious business throughout.



Q-Burns Abstract Message's "Chainsaw" introduces a busy year for the seasoned electronic music producer. In addition to his constant stream of remixes and DJ work Q-BAM is currently recording a follow-up EP as well as his long-awaited album project. Keep watching for more to come from Q-Burns Abstract Message and EIGHT-TRACKS



What they can be heard saying:

Al Bradley (Bugged Out, UK) - "The Analog Version of this is far & away the track of the year so far for me, quite simply stunning. All the hallmarks of one of 'those' tracks that everyone plays from deep to house to garage to techno DJs, it's just TOO good to not play it. The Loose mix is a belter too - how can one track be two such absolute belters? Q-BAM on fire here."

Kraak & Smaak - "Great stuff from Ajello, the one to watch this year! Putting it in our new DJ mix as we speak."

Luke Solomon (Freaks, UK) - "Loving the Analog Version jam, man. It's super-killer."

The Revenge (UK) - "I'm liking the Loose Version."

Alf Tumble (Bangana / Sumo) - "A quality pack right up my street. Can't choose a favorite between Ajello's hooror-late-night-style or the Balearic Version. Well done, amigos."

Llorca (Art Of Tones, France) - "Wow... Ajello remix is HOT! I like the Analog Version, too."

Joey Silvaro (Distant People, UK) - "The Loose Version has some serious bass ... it nearly blew me out of my chair!"

Richie Hartness (Untitled Music Blog) - "The ghostly Ajello Remix jumps out of this EP for me - haunted chords and a wicked bassline. The Loose Version has a odd-ball electro heartbeat that's really appealing and the Balearic Version is just too damn sexy with keys and electronics fusing on a sandy beach somewhere just after sunset."

Checkpoint Charlie (MyCuppaT Blog) - "Brilliant, crazy, wonkiness! Love it! There's real energy in all of the tracks; powerful and purposful. The Ajello has wonderful deep undertones, as does the more laid back Loose version. Jota Wagner is back to the naughty, devilish side. Pounding kick, spiralling synth... madness! The Balearic Version takes off in another direction all together - nice breakbeat combination with the crazy synth. Yeah... this is the one! Great package!"



Available right now exclusively from Beatport.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Sexta feira... Oslo





Eu, Rapha e a ressaca acordamos em torno das 10. não lembro direito pra dizer a verdade. Nos mandamos prum aeroporto pra duas horas e meia de voo para Oslo.

Ao olhar pra baixo quando começamos a sobrevoar a Noruega, o país era branco. só neve. um mundo de sorvete de coco. Neve, neve neve. O dj e promoter da festa, Ivaylo foi nos buscar no aerporto. Um bulgaro que vive a anos em Oslo e faz diversas noites lá. Um "deep house soudier" como ele mesmo se define e define a todos que vivem neste perrengue de promover noites de música (realmente) underground mundo a fora.

O cara é uma mistura inexplicável de produtor bacana, dj conhecido, divorciado fudido, desorganizado chapado e militante incansável. Sabe aquele tipo que ganha 500 reais tocando no fim de semana, e depois gasta 2 mil na segunda porque esqueceu de botar agua no radiador e fundiu o motor da caranga? por ai. Dividindo a casa e o carro com a peluda Sheline (um doce de cadelinha), Ivaylo promove atualmente duas noites por semana e tem mais uma pra começar.

Infelizmente, a que eu toquei não foi das melhores. Devido a um conjunto de fatores como bar ainda não solidificado na cena da cidade, bebida muito cara pros malucos em geral, rigoroso e longo inverno que simplemente minou qualquer tentativa de bom humor e outros fatores mais que não consegui identicar, a noite contou com não mais que umas 40 pessoas, considerando já a grande rotatividade. A entrada era gratis, assim como quase tudo na caríssima Oslo. Isso significa que neguinho seguia pulando durante a noite de bar em bar, a procura do que melhor equilibrava a relação goró farto e menos caro, garotas de bobeira e som legal.

No final, a experiencia e o show foram divertidos. Tres horas de musica bacana, bem tocada e legal, pra espantar o frio. Teve uma brasileira que ainda foi prestigiar, louca, linda, mineira, com seu marido norueguês. Falando pelas ventas e matando a minha saudade do jeito de conversar que só brasileiro sabe conduzir. E mineira ainda! Bão dimais da conta.

Falando em mulher bonita, Oslo é florida, assim como Vienna. Ambas tem mulheres charmosas, bem vestidas, bonitas e que expiram um pouco de sexualidade, ao contrario das geralmente insossas britãnicas e das geralmente cafonas espanholas.

No dia seguinte curtimos um pouco da cidade, batendo papo com um falante Ivo sobre todos os assuntos possiveis regarding musica, cultura e politica. O almoço foi extremamente agradavel, com um solzinho entrando gostoso pela parede envidraçada do Horgan´s enquanto a neve deitava lá fora na que era uma especie de Oscar Feire de Oslo. Tomando a primeira breja do dia e matando um Rock´n´Roll Chilly Burger delicioso, misturando breakfast com almoço como sempre. Seguindo o dito popular que só bebendo se cura ressaca, a minha estava curadinha da silva uma hora depois de acordar.

terça-feira, 23 de março de 2010

Entrevista Radio Superfly FM

Continuando o post de ontem, segue a entrevista pra radio Superfly FM feita pelo dj Crazy Sonic

Uns 5 minutos falando de house, da Lunatic Jazz e da cena paulistana


youtube video:







segunda-feira, 22 de março de 2010

Viena - Quinta Feira


Quinta feira, algo como 1 da tarde, eu , rapha e a ressaca acordamos na quinta com a Joyce mais uma vez despejando sua doçura sobre a gente. Desta vez almoçamos num delicioso restaurante caseiro, com meia duzia de mesas e a dona enquanto única funcionária, esbanjando simpatia e preparando tudo na hora pra gente (tipo umsa 3 da tarde). O menu era uma especie de bolinho de carne com pure, suco de maçã e uma panquequinha com geleia caseira que é meio típico de lá.

O motivo do encontro é que a Joyce ia tocar com um dos seus amigos MCs numa parada de estudades que ia rolar nas ruas da cidade. Num caminhão de som. Quer dizer, nós achamos que ia ser uma parada, tipo mini love parade, mas não era. Era uma politicamente engajadíssima manifestação dos estudantes da cidade e de fora contra uma reforma universitária que estava sendo feita na união européia. Existe um movimento gigantesco entre a juventude de todos os países caindo pesado em cima do capitalismo e pedindo a volta do comunismo. É utópico e louco. Coisa de jovem que quer mudar o mundo. Via-se gente fantasiada, enormes faixas e cartazes, varios carros de som, grupos de outros paises, todos kids, com pouco mais de 18 me parecia. Todos metendo o pau no capitalismo (enquanto usufruiam dele ali mesmo na rua ao mesmo tempo em que demonizavam).

Foi muito bacana no entanto, sacar como o jovem europeu é instigado a pensar. A ter opiniões. A se envolver no que acreditam. Obviamente que o fato de ter euro sobrando no bolso sem ter de lavar banheiro ajuda. Mas eles são críticos e ser crítico é bem legal. As idéias, no entanto, overdosam de frivolidade e inocencia como a de todo jovem, seja na Bulgaria, Suecia, Estados Unidos, Uganda, Brasil...

Lá pelas 7 da noite fugimos do frio, que estava ficando perto do insuportável, e fomos pro hotel dar um bode na piscina aquecida (ficar de shorts com -2 la fora tem seu encanto) enquanto eu me preparava para um set como convidado na radio Superfly. Uma radio bacana, aconchegante e bem montada onde toquei e fui entrevistado entre 10h e meia noite, numa experiencia muito gostosa. Acompanhados pela Joyce, ja recuperada do show na passeata, fomos tomar vinho e comer um club sandwich, um pouco de proteina pra gastar nos clubs Camera e Flex, que fomos conhecer depois.

O Camera é o clube em atividade mais antigo da Austria. Imperava como sempre o padrão estágio para o inferno: portinha detonada, escadinha soturna, e um mundo de luzes coloridas, som de otima qualidade e tipos altamente indispensáveis no romance freak que um dia vou escrever. O som passeava entre uma mistura de tech house com musica comercial, pouco ouvido aqui no Brasil. Mais para o final de nossa estada de quase uma hora lá, o som foi caindo mais pro tech house underground. E a pista encheu. Significa que o vienese nao tava muito afim de ouvir refrãozinho cantado naquele dia. Adorei.



Saindo de lá, a parada foi o Flex, o clube mais famoso de Viena, quiçá da Austria. Feito num espaço embaixo de uma praça com entrada ao lado do rio. O Flex tem aquele aspecto detonado de clube underground. Tipo, "não tenho grana pra pintar esta parede então vai ficar fudido assim mesmo" ou então "já que não tenho esta grana vou colar um monte de cartazes aqui". o soundsystem do lugar é coisa de outro mundo, com um baixo claro e forte poucas vezes ouvido. E pra melhorar, a festa era de drumba, comandada pelo produtor e DJ D.Key. Segundo a Joyce o dream team brazuca já passou por lá: Marky, Patife, Andy, Ramilson... Estavamos no camarote ao lado da pista (onde o som tb é foda) mas queriamos conhecer a real vienna... fomos pra pista colar no meio do empurra empurra nonsense que rolava enquanto tentavamos encaixar nosso passinho drum´n´bass. Nem precisou, a gente dançava via esbarrões e empurrões chapados. É nois. Saí de lá com a impressão de que o Flex é um dos melhores clubes da Europa, um senhor lugar para se tocar. Quem sabe.

A noite acabou com um city tour gratis (ou em troca de uma breja) pela incrível arquitetura da cidade. No dia seguinte, tinhamos um corre pro aeoporto porque Oslo me esperava.



video

sexta-feira, 19 de março de 2010

Viena - Quarta Feira!




Começa a segunda parte do final de semana da tournesinha pelo velho muito velho mundo. Numa quarta feira aa noite tenho um show no Cafe Leopold. O primeiro de um serie que ainda envolvia a radio Supafly FM no dia seguinte, Oslo na sexta feira e Brighton no sabado, na festinha da On The House Records.

Uma correria que começou na madrugada de quarta feira que se transformaria em 5 dias repletos de sensaçoes, pessoas, perversões, deep talking e muito esforço filosofico.

A musica traz na sua vida pessoas que provavelmente passariam longe da sua existencia. Talvez ao cruzar numa rua qualquer ou mesmo numa festa qualquer, um oi e tchau encerrariam esta intersecção de desejos reprimidos e ambições sem sentido. Esta viagem foi repleta destas pessoas.

Caminhamos bem cansados até o hotel Eurostars, arranjado pelo Rapha, perto da estação de trem Allen Strasser, ou algo assim, perto da região central da cidade. O vento cortava bonito a pele do rosto, unica parte do corpo exporta ao empoeirado vento vienense. Os predios de diversas epocas, o chão da calçada coberto por uma fina poeira branca e cartazes de shows de gosto duvidoso nos esquisitos bares terreos, alem de um povo naturalmente mais misturado do que o padrão europeu me conectou com São Paulo.

Dormir foi a unica saida para quem havia acordado as 4 da manhã para entrar nos caminhões de gado tambem chamados low cost flights na Europa. Um sono de umas tres horas, providencial, premonitivo, indispensável para me dar energia para o que me esperava nos proximos dias. Por telefone, às 9 da noite, falei pela primeira vez com a nuclear Joyce Muniz. A baixinha, elétrica, socialmente inteligentíssima e um doce de companhia é um dos DJs que mais se movimenta na cidade, tocando em todos os clubes da cidade, fazendo radio shows semanais, representando labels, fazendo parcerias com MCs, tendo ideias e, quando sobra tempo, ciceroneando djs brasucas que colam em Viena.

Sentados numa mesa do Cafe Leopold, com a dificil tarefa de matar um salmão muito bem feito e rodeado por algumas figuras vienenses (uma linda jornalista com cabelos curtos, enormes olhos verdes, um otimo portugues e uma bela camisa do Black Flag (uma apimentada mistura de Joan Jett com Chrissie Hynde) , um dos Mcs que colaboravam com a Joyce, uma simpatica cachorrinha cujo nome esqueci e o Rapha, era dificil levar conversa adiante com a vista que eu tinha pelas paredes envidraçadas do bar, encrustrado no meio do Leopold Museum, e rodeado por um diversos outros incriveis edificios cuja arquitetura era simplesmente deliciosa para os olhos, todos eles fechando um patio enorme por onde só se entrava a pé para curtir as diversas atrações culturais e alguns bares que haviam ali.

Quarta feira é uma noite comandada pelo loirinho dj Francoforte, fazendo warm up com discos bacanas e uma potente cobertura deep. A proposta é meio bar meio restaurante e em algumas noites alguem levantava pra dançar, algumas vezes não (foi o caso desta quarta). A noite rendeu muita breja, muita musica e um set de quase tres horas gravado ao vivo. Mas 3 horas da manhã era pouco pra dois brasileiros nervosos e violentos em sua primeira noite pela capital austríaca. Saindo de lá andamos por cinco minutos por entre passarelas e corredores até dar com uma porta e um clube de Laranja Mecanica. Centenas de retangulos de espuma por todo o teto, de diferentes tamanhos, decorados por uma projeção de vido, estatica que tomava todo o teto, as paredes e as pessoas sentadas na mesa. O som era tecno , funky, tocado por um dj tao chapado que ele mal sabia o que estava fazendo. Haviam cerca de 50 pessoas no barl ,algo assim, todas sentadas na mesa, ninguem dançando, naquele estagio que europeu fica perto das 3 da manhã. Chapados de um jeito em que se transformam numa espécie de zumbis. Eles não falam, andam tortamente, dançam errado, dando a impressão que, se vc der um tapa bem dado na orelha do nego a cabeça simplesmente descola do pescoço e sai rolando pelo chão.

Ao deitar a cabeça no travesseiro, quase seis da manhã, a sensação era de this is gonna be a fuckin good trip.



domingo, 7 de março de 2010

leo clayton, eu , richard clark, jaxx and patric funk



sentado em um trem as quatro da tarde, midlands, indo para Londres. Pós md..., pos cerveja, pos working class english youth, pos underground, pos bate papos interminaveis sobre o sentido da vida, o imperio britanico, a ultima do jamie anderson.

a paisagem combina, e muito, com o johnny cash no fone de ouvido. sim. é domingo, cinco dias após meter os pés neste frio continente e finalmente tenho um tempo para escrever.

a cabeça ainda esta em uma noite que não terminou. York guarda seus segredos nos poroes, inside the city gates. uma porta boba ao lado do mais novo punk club da cidade, uma escada que leva pro basement, panos nas paredes, arcos na pista de dança, piso de madeira, fumaça e um sistema de som simplesmente espetacular. lendas vivas da cena eletronica de york, 12 anos de historia, muita gente, muita dança, muita diversão. muito entendimento do groove por pessoas comuns. muita historia. muitas historias. muitos sentimentos provocados por 30 anos de colonizacao do imperio musical britanico na minha cabeça.

chegamos na cidade as 9 da noite, apos perder o trem graças a um incrivel english breakfast preparado por dois dos meus anjos, rapha e chrys. breakfast anti ressaqueiro. a noite no East Village foi igualmente classica, inesquecivel e emblematica, mas de um jeito diferente. O East Village é o classico oldschool house club. Basement , pra 200 pessoas, piso de madeira, bar e gente dançando. musica, musica e musica. tudo sobre música. existe a moda. existe o hype. existem as gerações que mudam e se confrontam, existe tudo. mas pra mim existe a cabine. Só existe a cabine. Na cabine não há mais mundo. Lá me desintegro, e viro ar respirado pela gente na pista. Gente alegre, muito goró e muitos pulos. That´s London. That´s York. That´s life.

descer do taxi, cruzar a rua, furar a fila, cruzar a porta, checar os rostos, olhar os quadros, descer a escada, sentir a temperatura, abrir a red stripe, responder às mesmas perguntas, abrir a red stripe, sentir o clima, abrir a red stripe, colocar a primeira musica, abrir a red stripe, descer pro funky, abrir a red stripe, ouvir cantadas, abrir a redstripe ouvir os gritos, abrir a red stripe, erguer os braços, abrir a red stripe, agradecer.

cheguei em londres na sexta, antes de tocar, via eidhoven, doordretch, bruxelas e londres by train.
há conversas que são melhores que o melhor filme, que o melhor livro. há momentos em que o tempo deixa de ser tempo e vira só tempo. praça central, mesa ao sol, cervejas e cervejas, histórias e estórias. Não importa a importancia. nem o assunto. importa a conversa. o fluir de ar que sai da boca e entra pelo ouvido.

meus outros dois anjos me guardaram seguro e atento por dois dias na organizada e inteligente Eidhoven. Tio Wagner estava bem cuidado. Vinhomuitovinho e comida e conversa e conversa e conversa.

o domingo acabou com meia duzia de pints no East Village again, na noite de reggae deles que rola neste dia. bom papo com o estudioso do funk Stuart Patterson, que ainda tocou por um tempo.

such a nice time